Início – o amor e suas artimanhas

0

Houve um tempo em que Ela, embora adolescente, desistira de sentir. Ser maquinizada era a solução mais coerente nas incoerências de seus longos e fatigantes dias.

Quanto mais passavam os dias, mais Ela endurecia seu frágil e ferido coração até que, após alguns tombos em seus poucos anos de responsabilidade já vividos, Ele apareceu. Nada lhe parecia tão encantador, a não ser o pé que lhe pisou, sem querer. Só assim para que chamasse a atenção d’Ela, afinal seus olhos viam tudo, menos a solidão que resplandecia de si mesma. Bendita curiosidade adolescente! Que tinha Ele? O responsável por aquela dor momentânea intrigava aquele ser aparentemente racional. Era o princípio de tudo, apenas.

relacionamento

Grande, Ela fez-se notar, afinal, mulher sempre sabe. Ele a notou! Finalmente, seus olhos cruzaram-se. Ah, o amor… Bem, está certo! Não era amor, era apenas curiosidade. Entretanto, que seria da ciência sem essa dita e do amor sem o desejo da conquista? Se até os animas têm direito ao rito, por qual motivo eles não teriam a permissão da natureza para a troca de míseros e brilhantes olhares?

Ah, o amor! Tudo bem, tudo bem!  – como diria uma criança ao concordar com os argumentos da mãe – Ainda não era amor, mas já era uma bela utopia. Entendes de utopia? Compreender um sonho é algo que Ela sabia fazer.

O sonho foi tomando forma, o sorriso aparecendo e, em meio à tempestade, um beijo aconteceu. A luz da rua já era alta, mas a lua nem sinal. Naquela tardinha singela, em meio à música da chuva, algo diferente lhe pareceu. Os sofrimentos esquecidos e um sentimento novo a palpitar. O amor resplandecia em ambas as faces, certamente, Ela podia afirmar.

amor

A vida, embora ainda jovem, já tão sofrida e endurecida, foi autorizada pelo tempo, que tudo cura e organiza, a novamente se apaixonar. Ao contrário do que parece, o final dessa história ainda não pode ser contada, pois ambos os jovens ainda vivem e estão, aprendendo a caminhar lado a lado, amando os dias e cada olhar. E, se não fosse o pisão no pé, quem sabe nada seria como é!

Luciane Maragon Della Flora

você pode gostar também Mais do autor clique aqui

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.